× AUDIBMWCITROENCHEVROLETFORDFIATHONDAHYUNDAIMERCEDES BENZMITSUBISHINISSANPEUGEOTRENAULTTOYOTAVOLVOVOLKSWAGEN

Como funciona o câmbio CVT ?

Quinta Marcha
Quinta Marcha
Admin
Mensagens : 399
Data de inscrição : 08/03/2019
http://quintamarcha.forumeiros.com
01042019
Como funciona o câmbio CVT ?


Como funciona o câmbio CVT ? Cacc8210


Denis Marum explica como a tecnologia resolveu problemas como o solavanco na troca de marchas e como essa transmissão ajuda a economizar combustível.

Muita gente se sente desconfortável quando o assunto é transmissão. São vários modelos de câmbios com princípios de funcionamento diferentes. Temos:

- transmissões mecânicas

- automatizadas de primeira geração (uma embreagem)

- automatizadas de segunda geração (duas embreagens)

- transmissões automáticas

- transmissões CVT, de primeira e segunda geração.

A competição acirrada está entre o câmbio automático, o automatizado de dupla embreagem e o câmbio CVT.

Considerado pelos seus usuários como um grande parceiro na economia de combustível, o CVT começou a ser desenvolvido há mais de 50 anos e, mesmo com bons resultados, ele vem sendo aprimorado ano após ano.

O princípio de funcionamento é simples: vamos lembrar da sua bicicleta? Ela possui várias coroas atreladas aos pedais e várias catracas unidas ao eixo da roda traseira (veja na foto abaixo).

Toda vez que você troca de marcha, a corrente muda (pula) de catraca, alterando o desempenho da bicicleta. Mas essa mudança de marcha também produz, quase que instantaneamente, ruído e uma sensação de vazio na força da perna que você aplica nos pedais.

Assim como na bicicleta, em todos os câmbios dos carros cujas transmissões possuem engrenagens ocorre uma perda de potência e torque no momento das trocas de marcha.

Com o objetivo de tirar esse solavanco na troca de marchas, o câmbio CVT eliminou as engrenagens principais da transmissão. É como se, na bicicleta, eliminássemos aquele “cone” formado pelas catracas e colocássemos um cone liso e maciço.

E se, no lugar da corrente (própria para rodas dentadas), colocássemos uma cinta capaz de deslizar pelos diversos diâmetros do cone, gerando infinitas marchas sem ter que dar os saltos indesejados de uma marcha para outra.

Com isso a velocidade do carro pode aumentar sem que necessariamente a rotação do motor aumente. Sem perdas de potência ou de torque, essa eficiência se traduz em economia de combustível.

O câmbio CVT é mais uma das grandes obras da engenharia automobilística: fazer a cinta deslizar pelas polias cônicas exigiu um projeto composto de uma série de mecanismos, circuitos hidráulicos e comandos eletrônicos, para gerenciar seu funcionamento.

Prós e contras

A parte boa - economia de combustível, baixo ruído, baixa vibração, pouca manutenção e boa aceitação no mercado.

A parte ruim - manutenção cara, exigência de óleo original específico de cada montadora (não duvide), alto custo para troca do óleo e filtros. E, se a correia principal quebrar, comece a rezar: possivelmente terá que colocar um câmbio novo.

Infelizmente, algumas montadoras tratam da troca de óleo de transmissões em seus manuais de forma muito simplista. Saiba que a principal causa de danos aos câmbios CVT e automáticos é a falta de troca do óleo.

Para quem gosta do câmbio CVT e tiver curiosidade, sugiro pesquisar mais sobre o desenvolvimento deste tipo de transmissão e a responsabilidade que o óleo assume nesses projetos.

Até a próxima!
Compartilhar este artigo em:diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

Comentários

Nenhum comentário.

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum